Como foi a semifinal da Liga das Américas: Flamengo x Aguada - Liga das Américas 2014






Flamengo venceu os seis jogos nesta edição da Liga das Américas (Divulgação / FIBA Américas)

Favorito na partida, o Flamengo começou avassalador no ataque e muito bem postado na defesa. Nem as duas primeiras tentativas frustradas de Marcelinho desequilibraram os donos da casa. A grande preocupação do adversário, o armador Morales, não conseguia respirar um só segundo sem alguém por perto. O resultado foi uma corrida de 15-2.

Porém, na metade final do quarto, o time relaxou. As bolas pararam de cair e a defesa ficou exposta. Para piorar, o ala-pivô Olivinha, com duas faltas, teve que deixar a quadra. O mau momento rubro-negro deu ânimo aos uruguaios, que cresceram e foram descontando bola a bola  Com oito pontos seguidos, o Aguada diminuiu a desvantagem (17 a 11). Restando pouco mais de dois minutos para o fim, o cestinha da Liga das Américas meteu seus três primeiros pontos; depois, mais dois, ajudando a diferença ficar em apenas dois pontos no placar (22 a 20).

Sentindo o revés nos últimos minutos do período anterior, José Neto pôs em quadra Gegê e Tony Washam. Na primeira bola, o armador escorregou e permitiu a Morales virar o jogo (23 a 22). O placar favorável levantou os cerca de 250 torcedores dos hermanos, que fizeram do Maracanãzinhosua casa. O momento era tão estranho que Nico Laprovittola errou três lances livres seguidos. No ataque posterior, Marcelinho, Marquinhos e Meyinsse erraram seus arremessos nas três tentativas para ponto.

Confusão muda a partida a favor do Flamengo, e Marcelinho desequilibra

Só que faltando pouco menos de cinco minutos para o fim do primeiro tempo, uma confusão entre o técnico Javier Espindola e a arbitragem mudou o panorama do duelo. Ao reclamar demais da marcação de uma falta anti-desportiva, o treinador recebeu uma técnica. Continuando a gesticular, levou outra e acabou excluído. Ao ver o que havia acontecido com Espindola, Morales também foi tirar satisfação e tomou a terceira. Com diversos lances livres a seu favor, o Rubro-Negro aproveitou para abrir dez pontos de frente (42 a 32). O jogo virou. E o aproveitamento de três, até então pífio (3/11), mudou completamente com as quatro bolas de Marcelinho e uma de Tony Washam, que elevou a diferença para 17 pontos no intervalo (56 a 39). O camisa 4, inclusive, foi o destaque do período com 15 pontos.

As equipes voltaram para o jogo mais relaxadas defensivamente. O jogo ficou bom par Olivinha que, zerado até então, foi responsável por 16 pontos em dez minutos, além de três rebotes e uma assistência. Nem os onze pontos de Morales foram suficientes para que a vantagem rubro-negra não aumentasse para quase trinta de diferença (90 a 62).

No último quarto, com 28 pontos de vantagem, o Flamengo manteve a mesma pegada. De três, com dois minutos de quarto, Marquinhos chegou ao seu 21º ponto. Olivinha, também de três, trouxe o marcador para a contagem centenária de 101 a 67, com pouco mais de três minutos jogados. Com o duelo definido, o Rubro-Negro valorizava a posse da bola e gastava sempre os 24 segundos para definir. Faltando quatro minutos para o fim do duelo, a torcida gritava olé a cada troca de passes, e Laprovittola, certeiro, anotou mais dois: 109 a 70. Já era hora de "desfrutar" da Liga das Américas, como o armador argentino do Flamengo frisou na quinta-feira, e administrar o marcador. Entraram ainda em quadra os meninos Danielzinho, Chupeta e Douglas, da base do clube. O Rubro-Negro estava com a final garantida e irá brigar por um título inédito, o único que falta ao clube no basquete.

Escalações:

Flamengo: Laprovittola, Marcelinho, Marquinhos, Olivinha e Meyinsse. Entraram: Gegê, Tony Washam, Shilton e Cristiano Felício. Técnico: José Neto

Aguada: Bavosi, Trelles, Morales, Smith e Dilligard. Entraram: Muro, Ibon, Gonzalez, Izuibejerez e White. Técnico: Javier Espindola

Fonte: Globo.com
Compartilhe no Google +

About Primeiro Penta

Flamengo até depois de morrer, eu sou!
    Comentários no Blogger
    Comentários no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Temos o direito de publicar ou não os comentários, já que, segundo a legislação brasileira, somos responsáveis por eles. Assim sendo, a educação é primordial nesse espaço. Comentários ofensivos não serão, obviamente, aprovados.
Comente sempre!