Marcelinho e Fúlvio trocam acusações depois da confusão







O cumprimento entre os técnicos Régis Marrelli e José Neto quando faltavam seis segundos para o fim da partida entre São José e Flamengo parecia mostrar que os ânimos estavam controlados. O resultado estava definido: vitória do time da casa por 96 a 88, e a série semifinal empatada em 2 a 2 - o que força o quinto e decisivo duelo, no Rio de Janeiro, para definir o adversário do Uberlândia na decisão do NBB. Naquele instante, os rubro-negros pareciam aceitar bem a derrota, mas bastou o cronômetro zerar no Ginásio Lineu de Moura, em São José dos Campos, para as gentilezas irem embora.

Durante o tradicional aperto de mão entre as equipes, o ala Marcelinho Machado, do Flamengo, que estava no banco de reservas, foi tirar satisfações com o armador Fúlvio, do São José. O ala rubro-negro foi até o rival, falou alguma coisa para Fúlvio e em seguida teria dado uma cabeçada no jogador paulista.

As duas versões

Nas imagens, o ala fica testa a testa com o armador, que projeta o seu corpo para trás. Após o ocorrido, o pivô Murilo Becker tomou as dores do companheiro e pegou o rubro-negro pela nuca. Do lado do Flamengo, o preparador físico Rafael Bernardelli chegou correndo e deu o troco no pivô com um empurrão.

A confusão estava armada. A Polícia Militar foi acionada para conter os ânimos, mas nada parecia esfriar o clima. Do lado do Flamengo, Marcelinho e o pivô Caio Torres eram os mais transtornados. Caio chegou a chamar para a briga os atletas do São José. Régis Marrelli e José Neto, no meio da confusão, tentavam conter os jogadores com a ajuda da PM.

Quando a confusão parecia acabar, um membro da comissão técnica do São José aparece no vídeo provocando os rubro-negros. É quando André Guimarães, supervisor do Flamengo, responde, e a briga volta ao centro do ginásio.

- Ele está sempre falando que eu o agredi. O Kojo agrediu, o Zanotti agrediu ele no Rio de Janeiro. Eu acho muito engraçado, um jogador que quer atuar na seleção brasileira, ter essa postura que ele teve. Ganhou o jogo, está de parabéns. Agora, provocou com o jogo já decidido. Isso não se faz. Vai lá para o nosso armador e pergunta o que o Fúlvio fez com ele. Falei com ele, joguei com o Fúlvio na seleção. Isso não se faz. Ele veio para cima de mim e depois se jogou. O vídeo está aí. É só ver o que aconteceu. Ele jogou a bola na cara do Kojo, comemorou na cara do Kojo. Jogo se ganha na bola. Isso aí que ele fez não faz parte do jogo - disse Marcelinho, se defendendo.

Do outro lado, Fúlvio garantiu que mais uma vez foi provocado, assim como teria acontecido no jogo 3 da semifinal, quando o armador paulista estourou o limite de faltas e acabou excluído da partida. Durante o jogo, Fúlvio jogou a bola propositalmente em Zanotti e armou uma grande discussão. O paraguaio encarou o armador, que se jogou no chão alegando uma cabeçada do pivô do Flamengo

- Criaram um clima hostil para que a gente chegue lá (no Rio) e aconteça a mesma coisa. O jogo foi pegado, como foi toda a série. Ele (Marcelinho) chegou, apontou o dedo na minha cara, falou alguma coisa e eu respondi. Mas ele tentou me agredir com uma cabeçada. Está filmado, é só ver o vídeo. O delegado da partida veio me dizer que viu o que aconteceu - explicou Fúlvio.

Flamengo e São José voltam a se enfrentar neste sábado, às 21h45m, na Arena da Barra, no Rio de Janeiro, no último e decisivo jogo da série semifinal do NBB 2012/13. Quem vencer encara o Uberlândia na final, em jogo único.


Compartilhe no Google +

About Primeiro Penta

Flamengo até depois de morrer, eu sou!
    Comentários no Blogger
    Comentários no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Temos o direito de publicar ou não os comentários, já que, segundo a legislação brasileira, somos responsáveis por eles. Assim sendo, a educação é primordial nesse espaço. Comentários ofensivos não serão, obviamente, aprovados.
Comente sempre!