Como foi o 5º jogo da semifinal NBB5 - Flamengo x São Jose







A recepção foi pouco calorosa. Assim que apontaram na entrada da quadra para o aquecimento, os jogadores de São José ouviram vaias. Mas nada que se comparesse às destinadas a Fúlvio. Diante delas, o armador reagiu com um sorriso. Sabia que seria assim durante todo a partida, depois das confusões nos jogos 3 e 4. Sabia também que o canto da torcida seria um combustível e tanto para o adversário. Se ela pedia para que a festa começasse, eles obedeciam.           

Primeiro foi Marquinhos. Depois, Kojo, Olivinha, Caio e Benite. O São José tinha trabalho para tentar frear os anfitriões. Do outro lado, Murilo e Dedé eram os únicos com a mão calibrada. Concentrado e com consistência nas duas tábuas, o time da Gávea abriu 21 a 15. Se não conseguia passar pela forte defesa, Laws arremessava de longe e diminuía para os visitantes. Murilo não tinha o mesmo problema. Partiu para dentro do garrafão e cortou a diferença para apenas um ponto e ela se manteve assim no fim do primeiro quarto: 23 a 22.

A virada de São José viria no comecinho do período seguinte. Mas durou pouco. Benite devolveu ao Rubro-Negro o comando do marcador (27 a 24) e no lance seguinte deixou a quadra par receber atendimento, ao sentir dores na parte posterior da coxa direita. Sem ele, e com apenas Marquinhos do quinteto titular em ação, o ataque do Flamengo não fluía mais como antes. A equipe desperdiçava ataques e Murilo & Cia tiravam proveito disso (38 a 32).

Era hora de tentar colocar ordem na casa. Tempo para o técnico José Neto. Na volta, aos pouquinhos, o time foi respondendo e com Duda. Não sem susto. Após converter uma cesta, o ala-armador voltou para o campo de defesa, escorregou e levou a mão ao joelho. Seus companheiros prenderam a respiração. Garantindo que estava bem, pediu para ficar em quadra e partiu para o ataque. Lá na frente, matou mais uma bola da linha de três, que ajudou o Flamengo se aproximar: 42 a 39.

Empurrado pela torcida, Flamengo embala

Na volta do vestiário, a torcida fez sua voz ainda mais alta. Pedia que o Flamengo fosse para cima. Ele foi. Com Kojo e Duda. Os anfitriões estavam no comando outra vez. Do banco, Benite vivia um drama. Queria voltar, mas era orientado a avaliar bem o tamanho da dor que sentia. Enquanto isso, seus companheiros lutavam, conversavam, buscavam os ajustes para manter as rédeas da partida. Para melhorar a situação, Murilo que tinha 16 pontos na conta, cometeu a quarta falta e foi chamado para o banco por Régis Marrelli.

Mesmo sem seu principal jogador e com a desvantagem de cinco ponto, o São José não se abatia. Fúlvio, até então zerado, fez sua primeira cesta e fez a equipe encostar (51 a 50). Mas passar... O Flamengo resistia à reação. Se a situação estava complicada era só procurar por Duda. De três, de bandeja, as bolas tinham endereço certo (66 a 57). Para completar, Marquinhos também deixou a sua, de três, no último segundo do terceiro quarto.  A torcida agradecia: 69 a 58.

Duda Machado basquete Flamengo (Foto: Celso Pupo / Ag. Estado)Duda Machado brilhou no terceiro quarto da partida contra o São José (Foto: Celso Pupo / Ag. Estado)

Foi a senha para Murilo voltar ao jogo. Só que o São José pecava nos ataques e já se mostrava mais preocupado em reclamar com a arbitragem. Do outro lado, o adversário mantinha os nervos sob controle e foi construindo uma frente confortável (86 a 69). Os dois lances livres despediçados por Fúlvio eram o retrato do São José naquele momento. Não se encontrava, via o Flamengo dominar as ações. Ouvia a torcida cantar a vitória antes do tempo e gritar "Adeus, Fúlvio". Não havia mais o que fazer. A segunda vaga na final já tinha dono e era o time da Gávea.

- Chegar a uma final tem um sabor incrível. Depois de tanto treino, tanta dedicação e viagens, uma vitória como essa faz valer todo esse esforço - comemorou o ala Marquinhos.


Compartilhe no Google +

About Primeiro Penta

Flamengo até depois de morrer, eu sou!
    Comentários no Blogger
    Comentários no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Temos o direito de publicar ou não os comentários, já que, segundo a legislação brasileira, somos responsáveis por eles. Assim sendo, a educação é primordial nesse espaço. Comentários ofensivos não serão, obviamente, aprovados.
Comente sempre!